Home M DE MÚSICA Especial Super Bock Super Rock: “Who The F*ck Is Zé Pedro”.

Especial Super Bock Super Rock: “Who The F*ck Is Zé Pedro”.

0

Tributo que reúne amigos e familiares será, certamente, um dos momentos mais incontornáveis da 24ª edição do festival do Parque das Nações.

 

Para cada pessoa, a mesma memória – a capacidade única que Zé Pedro tinha para fazer sentir especiais todos aqueles que com ele se cruzavam. Mesmo que fossem, apenas, os elementos do público dos milhares de concertos que deu com a guitarra dos Xutos & Pontapés. A alegria com que subia ao palco, o sorriso que traduzia a forma como sentia, em si, o vigor de todo um género, tornavam-no (ainda) mais inesquecível.

Em 1977, depois de ter embarcado no Inter-rail e fascinado pelas bandas punks que viu no palco de um festival em Mont-de-Marsin quis, também ele, formar o seu próprio colectivo. Menos de dois anos depois, estava a subir ao palco dos Alunos de Apolo – quatro canções tocadas de um só fôlego podiam não constituir a mais auspiciosa estreia mas a verdade é que, com mais de um dezena de álbuns de originais editados e quase quatro décadas de carreira depois, os Xutos & Pontapés tornar-se-iam a mais importante e emblemática banda portuguesa de todos os tempos.

Zé Pedro não foi, somente, o guitarrista e membro fundador dos Xutos & Pontapés: foi radialista, DJ, constante curioso e um dos maiores divulgadores do rock em Portugal. Puro, generoso, sempre disponível e ávido curioso, cruzou a sua obra – e a sua guitarra – com outros músicos, quer se fale de projectos como Palma’s Gang ou, mais recentemente, Ladrões do Tempo. Escreveu para os Xutos mas também colaborou com nomes como João Pedro Pais ou Paulo Gonzo. No 24º Super Bock Super Rock, em “Who The F*ck Is Zé Pedro”, que marca o arranque do Palco Super Bock, juntar-se-á uma banda que reúne filhos e sobrinhos dos cinco magníficos, os responsáveis pela interpretação de canções que deixaram a marca de Zé Pedro, entoadas pelas vozes de Carlão, João Pedro Pais, Manel Cruz, Manuela Azevedo, Paulo Gonzo, Rui Reininho e Tomás Wallenstein. O mote foi dado por Luís Montez, amigo de sempre de Zé Pedro e responsável pela promotora do festival, a Música no Coração. O espectáculo foi preparado com a direcção artística de Fred Ferreira e Tim, com o trabalho audiovisual entregue a Zé Pinheiro.

No dia 19 de Julho, o Super Bock Super Rock celebra, assim, uma vida, um homem e um amigo que não vai desaparecer nunca: é essa a magia de Zé Pedro. A marca que deixou em toda uma nação é tão imponente que vai permanecer – ontem, hoje e para sempre.

Foto: Carlos Ramos

LEAVE YOUR COMMENT